domingo, 30 de maio de 2010

Os Tapetes Contadores de Histórias - RJ - Brasil...

“No fio das histórias, como no fio da vida, cada um tece seu tapete.”

Desde 1998 “Os Tapetes Contadores de Histórias” (RJ-Brasil) pesquisa, produz e realiza sessões de histórias, espetáculos, oficinas e exposições interativas de seu acervo a fim de despertar o gosto das crianças e jovens pelas artes e pela leitura.
Saiba mais...

CABE NA MALA? dos Tapetes Contadores de Histórias

Espetáculo intimista onde malas, aventais, tapetes, caixas de pano e de madeira servem de cenário para histórias de Ana Maria Machado e Jutta Bauer(cosac naify).
Entremeado de belas canções cantadas à capela, o espetáculo é composto pelas histórias Cabe na Mala, Mico Maneco, Tatu Bobo, Avental que o vento leva e João Bobo, estas escritas por Ana Maria Machado e ainda A rainha das cores, da escritora alemã Jutta Bauer.
As três primeiras histórias são contadas em uma mala que se transforma em cenários de tecido.
Em "Avental que o vento leva", o contador veste um avental acolchoado que representa o mundo onde Corina menina vive suas aventuras.
No conto popular "João Bobo", três caixas de pano se transformam em tapetes para que João Bobo apronte suas confusões. Por fim, para "A rainha das cores", foi fabricada uma caixa de madeira com lâmpadas internas que sobressaltam o cenário branco costurado em preto, e sobre o qual os contadores dão vida e cor às formas e personagens.



Texto: Ana Maria Machado e Jutta Bauer
Direção e Cenários: Carlos Eduardo Cinelli e Warley Goulart Músicas: Warley Goulart
Duração: 45 minutos. Para crianças a partir de 3 anos.

O REI QUE FICOU CEGO (espetáculo do grupo OS TAPETES CONTADORES DE HISTÓRIAS)

O espetáculo trata da grande jornada de um jovem príncipe que enfrenta inúmeros perigos para trazer de volta a visão ao seu pai, rei daquele reino onde tudo ia bem.
É uma verdadeira aventura mítica repleta de peripécias e revelações, com rios cheios de monstros e ondas violentas, batalhas homéricas, águas milagrosas, palácios de vidros e diamantes, leões encantados, cavalos prateados, castelos de gigantes e viagens por mundos paralelos.
Para tal, Carlos Eduardo Cinelli e Warley Goulart confeccionaram um tapete gigante de 12 metros, que vai do chão ao teto, com grandes peças de tecido que juntas correspondem a uma paisagem de montanhas e planícies, sob um céu retalhado.
É neste gigantesco tapete -- e com a ajuda de bonecos de tecido, objetos sonoros, luzes e panos -- que três contadores de histórias convidam as crianças a embarcar no caráter fantástico deste conto brasileiro.
Cantadas à capela, canções foram especialmente compostas para o espetáculo, cujas sonoridades se aproximam a cânticos tradicionais próprios de culturas orientais como as dos povos árabe e indiano.
Além disso, o grupo se utiliza de objetos sonoros trazidos de outros Estados do Brasil, do Peru e Bolívia como moringa, berrante, quijada (mandíbula de jumento) e apito de argila.



Direção e Músicas: Warley Goulart
Cenário e Adereços: Carlos Eduardo Cinelli e Warley Goulart
Desenhos e Figurinos: Carlos Eduardo Cinelli
Atores: Carlos Eduardo Cinelli, Helena Contente e Warley Goulart
Duração: 40 minutos. Para crianças a partir de 5 anos.
Espetáculo patrocinado pelo Fundo de Apoio ao Teatro - FATE.

Fonte: Internet.

2 comentários:

  1. aloisio teixeira garcia1 de junho de 2010 20:26

    Muito bom o texto s/quadrilhas, sua origem e evolução. E muito bom saber da consultoria em finanças pessoais.....Todo mundo precisa !!! Parabéns.

    ResponderExcluir
  2. Olá Aloisio!

    Que bom que você gostou da novidade.
    Se possível gostaria de mostrar-lhe o meu produto, não tenho pretensões de ensinar "o Padre Nosso ao Vigário", e por isso mesmo a sua opinião é sempre bem vinda.
    Agradeço mais uma vez à sua visita no meu jardim e seus comentários elogiosos.

    Abraços

    Lucia

    ResponderExcluir